2.1.07

O Maquiavel dos resultados

Cavaco exige resultados. Porque de promessas estão os ouvidos dos portugueses cheios. A política, sabe-se, é um conjunto de boas intenções que se esvaem à boca das urnas. O dilema maior de José Sócrates é o jet lag entre as suas promessas e aquilo que, no fim, será cumprido. Poucos políticos resistem aos ensinamentos de Maquiavel: a liderança pode prescindir dos escrúpulos, mas na altura do voto, o som melodioso das harpas dos votos soará mais alto. Que decidir? Conseguirá Sócrates ser o Maquiavel dos resultados políticos? Com vícios privados e públicas virtudes?
Governar pode ser, para Sócrates, um exercício de relações públicas, mas a política nesta altura do campeonato europeu, exige atitudes que levem à resolução dos problemas. Portugal é um país com muito jeito para fintar, mas tem pouca massa muscular. E, no mundo da economia cruel, o circo ilude uma ou duas vezes. Mas, à terceira, tudo começa a parecer falso. E leva, inevitavelmente, um país ao cadafalso.

2 comentários:

Anónimo disse...

O problema do povo sempre será o seguinte:

- em que é que os políticos acreditam ?

Uma ajuda - a retórica não é uma boa pista!!

faísca

Paris disse...

O Principe Sócrates não quer cavaco nas suas terras. Mas o senhor Presidente é feudal, tem resquícios de Antigo Regime...